fbpx Nutricionista Marcos Hirata
Ir para o topo da página Ir para o conteúdo principal Ir para o fim da página

Confira as últimas notícias

Cuidado, o estresse pode se tornar o inimigo número um da sua dieta!

[Cuidado, o estresse pode se tornar o inimigo número um da sua dieta!]

Com excesso de trabalho e rotinas cada vez mais desgastantes, o estresse tem se tornado cada vez mais constante na vida de um grande percentual da população. Mas será que o estresse pode prejudicar os rendimentos de uma pessoa que, mesmo estressada, leva uma vida saudável de atividades físicas e dieta? A resposta é sim.

Ao expor nosso organismo a uma determinada perturbação –  como, por exemplo, uma noite mal dormida, uma dificuldade financeira, uma rotina excessiva de trabalhos, etc –  ele ativa um mecanismo denominado “luta ou fuga”.  Esse mecanismo nos faz entrar em um estado de alerta que, consequentemente, aumenta a nossa capacidade de produzir força e tensão muscular, mobilizando energia rápida para os músculos e inibindo mecanismos de percepção de dor.

Para que a gente entenda; se você estiver em uma situação de perigo, por exemplo, um cachorro raivoso correndo atrás de você, não será um tornozelo torcido que vai te fazer parar de correr. Esse tipo de ação imediata acontece devido à liberação de adrenalina e endorfinas, iniciadas em nossa amígdala a nível cerebral. Essa amígdala faz parte do nosso sistema límbico e está ligada a percepção do prazer ou dor, agressividade e reações emocionais. Neste caso, se acontecer algo que você não queira, essa situação gerará estresse.

Quando o estresse se torna crônico, a amígdala sinaliza ao hipotálamo a produção de hormônios que aumentam os níveis de cortisol. Altos níveis de cortisol, porém, causam alguns fatores que prejudicam o bom rendimento do nosso organismo, tais como a resistência à insulina, uma das grandes causas que auxiliam o corpo na formação de gordura e também atrapalha a síntese de proteínas, prejudicando a recuperação muscular. Com a resistência à insulina ocorre também o aumento da produção de suco gástrico, resultando na hipercloridria e podendo causar gastrite, retenção de sódio e excreção de potássio.

Os níveis desregulados de cortisol também fazem com que ocorra redução nos níveis de glicemia, aumentando o apetite por doces e carboidratos. Além disso, a probabilidade de não conseguir controlar impulsos e ter comportamentos compulsivos que te fazem ter aquele desejo insaciável por açúcar e junkfood no fim do dia, tende a ser bem maior.

Viu como o estresse pode atrapalhar o seu resultado e seu dia-a-dia? Além da boa alimentação, procure dividir a sua rotina entre trabalho, lazer e o descanso físico e mental.

Open chat